“Foi um presente antecipado.” Assim Jenílson Severo definiu a noite deste sábado (11), no RioMar Recife, onde o poeta popular Bráulio Bessa fez a apresentação da sua palestra-espetáculo, em homenagem ao Dia dos Pais.

Em companhia da esposa Edileuza Versosa e da pequena Sofia, Jenílson esbanjava contentamento em poder assistir tão de perto o artista. “O acompanho pelo programa semanal na televisão. Nossa família ama poesia de cordel e Bráulio conquista pela simpatia”, afirmou.

O papai Jenílson junto com a esposa Edileuza e a pequena Sofia admiram a poesia de Bráulio Bessa.

Já Edileuza, que é professora e socióloga, encontrou na apresentação do poeta uma oportunidade enriquecedora. “Neste mês se comemora o Dia do Folclore Nacional e com a poesia de Bráulio Bessa poderei trabalhar em sala de aula a cultura popular nordestina”, comentou a professora.

De fato, Bráulio deu uma aula. Sobre sensibilidade e persistência. “Desistir. Substitua o ‘D’ pelo ‘R’ e será ‘resistir”, pontuou o poeta sobre a capacidade de todo ser humano de enfrentar as adversidades da vida e seguir em frente.

Ainda mais ele, que desde criança “sonhava em transformar a vida das pessoas pela poesia”. Não foi fácil. Bráulio chegou a cursar análise de sistemas durante a faculdade e abandonou o curso para perseguir o seu sonho de lançar um livro. Tentou com 58 editoras. Nenhuma retornou os seus e-mails. Passou então a declamar suas poesias pela internet e assim chamou atenção do programa Encontro com Fátima Bernardes.

O poeta agradou e o sucesso garantiu um contrato de participação fixa no elenco. Por lá, Bráulio conseguiu o que tanto queria e passou a mudar a história de muita gente através da sua arte. “Eu faço a coisa com sentimento. Uma vez perguntei no meu perfil do Facebook se alguma poesia minha fez bem. Recebi 8.848 depoimentos diferentes de como a poesia tinha sido importante. Eu costumo dizer que minha poesia é um abraço”, destaca Bráulio.

Ao final, o poeta declamou uma em homenagem ao Dia dos Pais. Era fácil ver várias expressões emocionadas. E com uma analogia à lagarta que se arrasta pra um dia depois voar, Bráulio sentenciou: “Espero que todo mundo aqui voe”.