“Os problemas do Brasil são imensos. Mas as minhas viagens por aí mostraram que existe, sim, solução. São pessoas comuns lutando para solucionar seus problemas. Pessoas com esperança. Quando ouvi suas histórias, vi o quanto sou pessimista. Mas existem muitos brasileiros lutando para solucionar nossos problemas”. Essa frase resume bem o tom da palestra da jornalista Miriam Leitão que, há 45 anos, atua na área econômica. Miriam abriu o evento RioMar com Mercado com a palestra Perspectivas Econômicas do Brasil para 2018. Ela falou durante quase duas horas para uma plateia atenta, no Teatro RioMar, nesta sexta-feira, dia 2 de março.

Em ano eleitoral, não poderia faltar uma análise neste sentido, já que a economia depende muito do cenário político e, nos últimos anos, as mudanças no comando do Brasil geraram muitas incertezas. Miriam preferiu não apontar possibilidades na disputa presidencial. “É muito cedo para fazer previsões. São muitas incógnitas, inclusive sobre quem serão os candidatos. E o Nordeste, como sempre, terá um papel fundamental nas eleições”, destacou.

A análise de Miriam neste campo foi confirmada pelo cientista político Antônio Lavareda, que estava na plateia. “Qualquer prognóstico apenas mascara a torcida do emissor. Ele estará apenas fazendo política. Não há como apontar qual será o cenário”, ressaltou.

Miriam deu a palestra um dia depois da divulgação do resultado do PIB de 2017, que trouxe números mais otimistas. A economia cresceu 1% no ano passado, na comparação com 2016, após dois anos seguidos de recessão. “A economia melhorou. O País está saindo da recessão. A previsão de crescimento para este ano é de 3%. Mas o que mais incomoda é o desemprego. São 12,68 milhões de desempregados. Um número que ainda assusta”, explicou.  Miriam, como tem feito em seus comentários na mídia, fez duras críticas às taxas bancárias brasileiras. “Representam um problema para o crescimento do País. “Não sei explicar essas taxas. E olhe que já estudei muito sobre isso”, desabafou.

Mas o ponto alto da apresentação foi quando a jornalista trouxe uma dose de esperança baseada em histórias reais. Situações de vida coletadas em suas viagens para escrever o livro História do Futuro, com base em entrevistas, análises de dados, depoimentos de especialistas, após três anos de pesquisa. Miriam, que é filha de pernambucano, falou da experiência positiva do ensino médio integral de Pernambuco, em especial o projeto do Ginásio Pernambucano. Qual é o segredo para uma escola ter evasão zero? “Foi um desafio falar com aqueles adolescentes. Eles me falaram sobre uma sessão de acolhimento que acontece no primeiro dia feita por ex-alunos que contam suas histórias de sucesso. Eles são incentivados a estudar para um ‘projeto de vida’. Aprendem que sonhar é lindo, mas é precisa ter estratégia”, relatou.

Para Miriam, neste momento, estamos duvidando da democracia, diante de tantas denúncias de corrupção. Mas, como frisou, o Brasil só tem esse caminho. “Cada vez mais brasileiros estão participando ativamente. São 95% de pessoas aptas para votar. É na democracia que iremos encontrar a solução para o futuro.”

A opinião da plateia

“O ponto forte foi a incrível capacidade e sensibilidade de Miriam de identificar pontos precisos que podem alimentar a esperança. São brasileiros que têm a capacidade de enfrentar problemas estruturais.” Antônio Lavareda, cientista político

Antônio Lavareda

“A apresentação dos dados compilados ajuda muito. Ela trouxe dados mais relevantes agregados, trazendo uma análise profunda. Ela falou muito sobre a importância da democracia. E a OAB tem um papel fundamental na preservação dessa democracia, sobretudo quando busca a preservação de sua independência.” Ronnie Duarte, presidente da OAB-PE  

Ronnie Duarte e Fred Leal

“A palestra trouxe uma dose importante de otimismo. Este será um ano melhor. As pessoas estão mais otimistas para comprar, porém mais conscientes. Deve ser lento, como tudo deve ser na vida.O emprego ainda vai demorar muito. Mas tudo virá no momento certo.” Fred Leal, presidente do Sindilojas Recife