Severino Vicente da Silva, mais conhecido como professor Biu Vicente, é doutor em História do Brasil e dá aulas na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). E foi com ele que a equipe do Viva RioMar Recife conversou para entender melhor como surgiu a expressão “Anos Dourados”.

O professor explica que é preciso entender o contexto da época em que a expressão remonta: os anos 50. O mundo respirava novos ares após o término da Segunda Guerra Mundial e o Brasil saíra com um saldo positivo do combate. Com muita riqueza e um presidente que exaltava o nacionalismo – Getúlio Vargas – a nação buscava o novo.

A procura por novas tendências culminou numa efervescência criativa dos jovens. “O nosso País vivia um clima de otimismo, de felicidade. Brasília estava sendo construída, havia a produção de siderurgias, a economia crescia. Esse cenário junto com a expansão cultural norte americana influenciou a nossa juventude ‘dourada’ da época, que passou a abandonar velhas tradições e adotar novidades como o jazz e o rock balada, por exemplo”, detalha Biu Vicente.

A sensação otimista também invadiu outras vertentes culturais como o cinema e a literatura. “Presenciamos o cinema novo com Glauber Rocha. A imagem em movimento. No campo das letras, saímos de Rui Barbosa para Guimarães Rosa e no teatro encontramos Hermilo Borba Filho e Ariano Suassuna”, destaca o professor.

No entanto, foram as peças publicitárias e os conceitos de historiadores posteriores que demarcaram a expressão “Anos Dourados” ao período. “Essa ebulição cultural e criativa, embalada pelo pós-guerra e pelo momento econômico favorável, durou até o final dos anos 60, quando se intensifica outro período de nossa história conhecido como ‘anos de chumbo’’, conclui Biu.

Agora que você está mais por dentro dos “Anos Dourados”, anota na agenda que nos dias 22 e 23 de setembro acontece o primeiro Baile Anos Dourados, evento gratuito promovido pelo RioMar, no Piso L3.

https://vivariomarrecife.com.br/agenda/baile-anos-dourados-relembra-os-sucessos-da-epoca/