“Transformar conhecimento em atitude. Não falta informação.”. Esse foi o mote da apresentação do jornalista André Trigueiro, no Cinemark, Piso L4, no RioMar Recife, durante o lançamento do livro Cidades e Soluções, às 20h. Com especialização em gestão ambiental e sustentabilidade, Trigueiro fez, além de tudo, o público refletir. “Como jornalista, e aqui faço a mea culpa, às vezes parece que tudo está errado de acordo com os noticiários. Corrupção e crimes noticiados a todo instante. Mas o jornalismo também mostra soluções. Elas existem. A gente tem que apontar caminhos”, categorizou o autor.

Dividida em três grandes tópicos, a fala de André começou abordando o lixo. “Essa correria insana da cidade muitas vezes faz com que as pessoas descartem o que tem valor. E o microempresário de resíduos – nunca chamem esse profissional de ‘catador de lixo’ – é quem empresta sentido ao que é descartável e pode ser reaproveitado”, afirmou.

Ainda como uma solução, ele usou como exemplo um grupo que criou um aplicativo que recolhe os resíduos orgânicos das casas das pessoas no Rio de Janeiro para usar em compostagem. “Eles estão ganhando dinheiro honestamente, com uma ideia simples, mas genial”, comentou André.

O segundo tópico se firmou sobre o esgoto. Com uma provocação, o jornalista questionou como uma geração pode ser capaz de utilizar água potável para ser usada nas privadas, por exemplo. E continuou: “Eu bebo água de esgoto tratada. E estou aqui. Estou me sentindo ótimo. Por um acaso, a água que vocês bebem aqui do Recife vem diretamente de um rio de águas caudalosas e transparentes?” provocou com bom humor.

Por fim, Trigueiro discorreu sobre energia, de uma forma geral. “O Nordeste é a região que tem o melhor vento do mundo. Com ele, foi possível driblar, inclusive, a escassez da energia gerada por água, em decorrência das fortes secas na região. A energia, aliás, como observamos hoje em postes e fios, no futuro será vista apenas no museu.”.  Ele explica: “É que cresce cada vez mais o uso de carros movidos pela energia elétrica gerada pela luz do sol. Uma vez as baterias carregadas, elas poderão também servir para ligar a geladeira e a televisão, por exemplo”, comentou.

Presente no evento, o voluntário do Centro de Valorização da Vida (CVV) – instituição que oferece apoio emocional e prevenção do suicídio, que recebeu 100% da renda obtida pela venda do livro – Josemir Silva ressaltou a importância da ação. “Nós não contamos com a ajuda financeira de nenhum órgão e dependemos unicamente das atividades desenvolvidas pelos voluntários. Por isso é fundamental este tipo de apoio que recebemos hoje através do evento realizado pelo RioMar”, afirmou Josemir, que trabalha há 15 anos no CVV.

A Diretora de Desenvolvimento Social e Relações Institucionais do Grupo JCPM, Lúcia Pontes, destaca o posicionamento do empreendimento diante do tema sustentabilidade. “O RioMar cumpre um papel importante que é trazer a sociedade para o debate sobre as práticas sustentáveis. É preciso mobilizar as pessoas em torno desta reflexão, essencial para um futuro possível e sustentável”, concluiu.