“Ele é meu presente natalino que Deus me deu.” A declaração é de Marcelo Wandeley Filho sobre o seu bebê de apenas um ano e sete meses, que também carrega Marcelo no nome, nascido no dia 24 de dezembro de 2016, véspera de Natal. E ainda tem mais um personagem na história: o avô Marcelo Bezerra Wanderley.

Reunidos numa manhã ensolarada no RioMar, os três compunham um quadro de amor e família. “O sentido da vida é ser feliz. Esse é o principal valor que tento passar para o meu filho, o primogênito lá de casa”, afirmou em meio a um largo sorriso, o avô Marcelo Wanderley.

“O sentido da vida é ser feliz. É o principal valor que tento passar para o meu filho”. Marcelo Wanderley

O entrosamento entre os três “Marcelos” salta aos olhos. Questionado sobre essa sintonia, o avô comenta: “Somos parceiros. Meu filho é também o meu sócio. Além disso, sempre encontramos tempo para fazer coisas que dão prazer juntos”, ensina o patriarca da família. “Ver meu neto sorrindo é gratificante. Esse é o grande sentido de existirmos: a continuação da vida”, reflete o vovô coruja.

O sentimento de união permeia os laços afetivos entre eles. Seja na forma de olhar, num abraço apertado ou no cuidado com o pequeno Marcelinho. “O mundo tem muita oferta para se corromper. Assim como meu pai me ensinou, eu sempre vou passar para o meu filho os princípios de honestidade e valor à família”, destacou Marcelo Filho.

Preocupado com o avanço das relações apenas pelo meio digital, Marcelo foi taxativo: “Eu prezo pela harmonia, pelo diálogo em casa. Já já Marcelinho vai fazer natação e se aproximar ainda mais de outras crianças. Quero que ele tenha muitos amigos”, afirmou.

Para o leitor talvez uma palavra tenha chamado atenção nesse texto. “Família” é o termo que conduziu a conversa entre eles. Tanto o pai-avô quanto o filho possuem o sentimento familiar arraigado no peito e levam nos sorrisos o elo que existe no coração.