“Todos temos na vida um lado Fulaninha e um lado Dona Coisa. Brincamos com isso quando as atrizes invertem de papel no palco”, detalha Daniel Herz, diretor da comédia “Fulaninha e Dona Coisa”, de Noemi Marinho, que faz turnê pelo Brasil em novembro e chega ao Teatro RioMar Recife para única sessão dia 11. Os ingressos, a partir de R$ 25 (meia entrada), já estão à venda na bilheteria do teatro e pelo site.

O espetáculo, idealizado por Eduardo Barata, retrata através do humor as dificuldades da convivência diária entre patroa e empregada. De um lado está Dona Coisa (Vilma Melo), uma mulher moderna, independente, que prefere manter certa distância em suas relações. Do outro está Fulaninha (Nathalia Dill), uma jovem com a cabeça cheia de sonhos, que chega do interior para trabalhar como empregada doméstica e se envolve em inúmeras trapalhadas. “Fulaninha e Dona Coisa” fala das diferenças de origem e da relação entre duas pessoas, ao mesmo tempo, tão ricas e distintas.

“A possibilidade de emocionar o público dentro de uma comédia é algo que me instiga e me interessa”, comenta Daniel Herz, que além de assinar a direção, também interpreta o papel de um técnico de telefone que se envolve com Fulaninha. “Em um momento em que o país passou por transformações nos direitos trabalhistas dos empregados domésticos, a peça aparece como uma oportunidade de falar das recentes modificações, de maneira bem-humorada, sem deixar de ser informativa. Um espetáculo que trata das muitas possibilidades e ambiguidades que existem entre o personagem que oprime e o que é oprimido”, afirma o produtor, Eduardo Barata.